sábado, 26 de dezembro de 2015

Saudações Papais e Janais









video

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Bloqueio do Whatsapp? Desbloqueie....

Entenda o problema:

O bloqueio do Whatsapp se deu hoje as 0h00 (ou 24h00) por meio de uma decisão da 1ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo, mantendo-se o autor em sigílo.

Justiça manda bloquear Whatsapp por 48 horas

Como é de praxe, em frauda de nenê, não se sabe o que vai sair!

Crimes "graves" acontecem todos os dias através de telefones. Porque não bloquear os telefones também? E se houver crime no metrô, vamos bloquear o Metrô?

Me desculpem se há problemas nas técnicas de investigação ou no rito do próprio judiciário, mas, para tentar resolver um problemas (que nem é possível, pois não existem tais registros), criou-se 100 milhões de outros!!

Parabéns tupiniquins....

Mas, vamos ao que interessa:

Para liberar o whatsapp em seu celular, baixem o (por exemplo) Betternet no Google Play (mas funciona com qualquer VPN), instalem e rodem. Depois é só executar o Whatsapp normalmente!

Para acessar o Whatsapp Web, baixem o Private Tunnel (Também pode funcionar com qualquer VPN). Fechem todos os navegadores e executem a instalação. Confirme em seu email, execute o software e escolha um servidor fora do Brasil. Depois de logado é só abrir o navegador, acessar whatsapp web e utilizar normalmente. Veja a imagem abaixo com minha conversa com a minha prima e o horário, depois o print screen da página do Whatsapp Web.






Bom, estamos conectados desde às 0h30 desta madrugada do mesmo jeito!



quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

O Estado Islâmico (aqueles radicais) é somente um estado de "coisas". Temos outras "coisas" pervertendo o estado de nossas crianças e nem damos conta destas "coisas"!

"...muitos docentes podem de fato crer que contribuem para a formação ética de seus alunos ao lhes ensinar orações ou ao difundir preceitos de sua fé religiosa. Ao assim fazer, contudo, violam um princípio ético-político fundamental da escola pública moderna: o da laicidade. Princípio este que não faz da escola uma instituição antirreligiosa. Apenas procura garantir que a escolha de uma religião - ou de nenhuma - seja uma decisão privada e autônoma; e como tal respeitada por uma instituição pública..."

Professores não deveriam manisfestar suas crenças, escolhas de agremiações esportivas, tendências partidárias, conceitos políticos, preferências sexuais e outras práticas que são próprias e particulares de cada um, para seus alunos, sejam eles de qualquer nível (idade), principalmente os mais novos, que estão em fase de formação e estruturação de seus valores psíquicos, morais e éticos, bem como, de outros valores agregados!

Qualquer manifestação educacional, cultural, festiva ou reivindicatória que não atente para esses preceitos é indução, manipulação e incitação!

Nosso estado é laico, nossas escolas também deveriam ser!

A Frase:
"CADA UM FAZ A SUA PRÓPRIA OPÇÃO E VOCÊ NÃO TEM O DIREITO DE OPRIMÍ-LA!"
Possui dois gumes!

Tanto para o lado de lá, como para o lado de cá. Tando para a esquerda, como para a direita. Tanto para cima, como para baixo!

 Nunca, mas NUNCA, se esqueça disso!

Laicidade


Educadores e responsabilidade política

(José Sérgio Fonseca de Carvalho Doutor em Filosofia da Educação pela FEUSP - jsfc@editorasegmento.com.br )

Numa escola de educação infantil, uma criança de 5 anos foge ao ouvir o som do berimbau numa roda de capoeira; ela explica ao professor que aquilo "era coisa do demônio". A diretora da escola coloca um crucifixo e a Bíblia ao lado do livro de ponto e só os retira quando uma professora ameaça trazer seus guias e orixás (com ironia, argumenta: "se não é laica, que seja ecumênica!"). Numa escola de ensino médio um pastor alerta o professor de português que seus alunos não deveriam ler O cortiço , por ser uma obra "imoral". Essas histórias, todas relatadas por professores comprometidos com os ideais republicanos de uma escola laica, são versões contemporâneas do persistente conflito entre as esferas religiosa e secular na luta pelo estabelecimento do campo de legitimidade das práticas e dos princípios de ação educativa.

Em sua imagem clássica esse conflito tomava a forma de um duelo entre forças de inspiração iluminista e o clero conservador, como na cena do filme A língua das mariposas em que o pároco discute com o mestre-escola acerca das transformações que a experiência escolar produzira no garoto Moncho. Mas nas escolas brasileiras de hoje o conflito tem apresentado uma peculiaridade: não é um embate entre instituições sociais em antagonismo, mas uma cisão profunda dentro da própria escola. Embora o discurso legal afirme o caráter laico da escola pública, seu cotidiano está impregnado de religiosidade. Preces diárias, hinos eclesiásticos em cerimônias de formatura e uma pregação moral de natureza religiosa parecem ser tão recorrentes no cotidiano escolar quanto os ditados, mapas, filas, cadernos e diários de classe. Como compreender essa indistinção entre os domínios da religião - modernamente concebida como uma decisão do âmbito privado - e o da formação escolar numa instituição pública?  

O crescimento da presença social e política das diversas religiões pentecostais não pode ser ignorado, mas não é por si só capaz de explicar a peculiaridade do fenômeno. Há o fato inegável de que tanto o Estado quanto setores significativos da sociedade esperam que, para além de informar e capacitar crianças e jovens, as escolas venham a conformá-los moralmente; que logrem levá-los a agir em conformidade com certos modelos morais ideais. Essa esperada conformação moral pode encontrar fundamento em doutrinas religiosas ou formas de vida política, em juízos estéticos ou numa tradição cultural. Pode recorrer a vários desses elementos, amalgamando-os num discurso escolar que se crê capaz de fundir a todos e harmonizá-los, como se convergissem necessariamente para o mesmo ideal. Ocorre, no entanto, que a formação de um bom cristão não coincide com a de um cidadão ativo; e não é certo que este resultará num patriota... Por vezes, o Deus de um pode ser o demônio do outro!

Não obstante, muitos docentes podem de fato crer que contribuem para a formação ética de seus alunos ao lhes ensinar orações ou ao difundir preceitos de sua fé religiosa. Ao assim fazer, contudo, violam um princípio ético-político fundamental da escola pública moderna: o da laicidade. Princípio este que não faz da escola uma instituição antirreligiosa. Apenas procura garantir que a escolha de uma religião - ou de nenhuma - seja uma decisão privada e autônoma; e como tal respeitada por uma instituição pública. Mas os professores, além de profissionais da educação, são homens ou mulheres, torcem para um time, votam em um partido, são fiéis de uma igreja. Deles não se deve esperar que escondam sua marca singular e pessoal; mas tampouco que venham a faltar para com a responsabilidade política decorrente de seu pertencimento a uma instituição pública.