quarta-feira, 13 de abril de 2016

Entenda o Jogo de Xadrez!

Os mestres enxadristas dizem que:- “Sabe-se muito do oponente, enquanto este move suas primeiras pedras. Senão, em seu primeiro movimento no tabuleiro”.

A quatro dias da votação do impeachment, Lula tropeçou feio em sua estratégia (Segundo o filósofo Lobão, isso é tática petista usada pelos "doutos" em jogo de xadrez). Hoje, sua presença fornece mais votos para a oposição do que para a situação.

O primeiro movimento do tabuleiro, foi o que, definitivamente, enterrou Lula. Esse movimento, aplicado quando Dilma telefonou para ele e avisou: “Eu tô mandando o ‘Bessias’, junto com um papel, pra gente ter ele. E só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse.”, assassinou sua enxadrista personalidade!

Sérgio Moro faz, brilhantemente, o segundo lance mostrando as gravações e escancarando a manobra política e pouco ortodoxa dos envolvidos. Assim, joga no ventilador que Lula, na verdade, não queria ser ministro, mais sim, somente ter o foro privilegiado do STF. Podemos, até achar, que ele estava mais preocupado com o próprio pescoço do que com a pele de Dilma.

No terceiro lance, Dilma dá posse à Lula, ovacionado pelo coro de “não vai ter golpe”. Mas antes que pudesse ocupar esta casa do tabuleiro, o ministro Gilmar Mendes, do STF, come-lhe a peça suspendendo a nomeação do ministro recém-empossado e ainda por cima, impedindo que as peças daquele lado do tabuleiro possam ser trabalhadas.

Digamos que ocorreu um cerceamento de movimento de "peças-chaves". Desde então, Lula exerce a nobre função de Ministro-Chefe do Quarto de Hotel.

Aqui é o momento de reflexão do enxadrista mor. Dois movimentos e justo os dois primeiros, contra-atacados com manobras mais contundentes do que o esperado. No primeiro contra-golpe, abriu-se todo o mapa de manobras e estratégias futuras e no segundo, imobilizam-se as peças mais poderosas do adversário.

Lula resolve então, jogar com as outras peças menos importantes, mesmo que seja para, no momento negociar com os “peões” no escurinho de seu quarto, bem ao pé do ouvido!

Com medo dos grampos, exige, peremptoriamente, que os celulares e qualquer outro aparelho eletrônico fique do lado de fora do gabinete hoteleiro. Imaginem outra "Delcidada" e justo, nessa altura do jogo!

É sua vez de fazer o movimento! Mas, suas peças estão travadas. Oferece então, mundos e fundos (principalmente fundos) para que seus “peões” mantenham a linha de proteção do Rei. (Rei? Mas não é a Rainha que está prestes a ser comida no tabuleiro? Lula sabe disso, porém, o objetivo do jogo de xadrez é proteger o Rei, mesmo que a Rainha tenha que ser sacrificada e, além do mais, no xadrez, Rainha não ganha jogo, muito menos Maria II).

Lula então diz que dá, mas não entrega! Ele dará sim, mas espera antes que seus “peões” bloqueiem algumas peças aqui e comam outras acolá. Depois do jogo vencido, ele dará a verdadeira recompensa que eles merecem. Mas o leigo em xadrez poderia perguntar: - Se o jogo for vencido, porque recompensar os peões? Peão no xadrez é peão morto. Nasceu para ser comido! É... Algo de razão existe nesta observância!

Mas a propaganda é poderosa. Promessa de Ministérios, cargos em estatais, primeiro escalão, segundo, terceiro e quarto, emendas orçamentárias, transferências milionárias e sem risco de monitoramento pela República de Curitiba, ou seja, benesses e mais benesses, ilimitadamente ilimitadas. Porém, somente depois da votação!

Lula quer jogar com seus “peões”, mas quer que eles, a princípio, se “joguem” sozinhos....
Um dos “peões” clandestinos, conversando com o botão do elevador do hotel, pensava mais alto do que deveria:- Se Lula não conseguiu garantir nem a sua própria posse como Ministro, como acreditar que garantirá a minha?

Xadrez é assim mesmo. É um jogo, totalmente cerebral. Tem de pensar com os seus botões, com o botões do outro, com os botões do telefone e até, com os de “rosas” se estas estivessem na época!
Lula é Lula e peão é peão. Sempre dá para mexer com um ou dois sem comprometer o jogo e, faz-se o lance! E, novamente, o contra-ataque é muito mais potente que o ataque por si só. Janot esnoba, em seu movimento, recomenda ao STF que torne definitiva a liminar que proibiu Lula de tomar posse como Ministro. Ainda por cima, insinuou que pode processar Dilma por obstrução da justiça quando tentou fornecer o escudo do STF ao ex-presidente. Me pareceu, no momento, que Janot jogava em três tabuleiros diferentes. Dois com Lula e um com Dilma.

Por enquanto, temos que esperar os novos movimentos de Lula, talvez não no tabuleiro, mas no próprio “xadrez”!